HOME Notícias

Notícias

Fique por dentro do que acontece na ISJB...

Dia Internacional da Mulher, 08 de Março de 2019.
Mulheres Salesianas

 

Produzido por Vinícius Melo, 08/03 às 13:45

Maria Auxiliadora

Maria Auxiliadora foi instituída como Nossa Senhora Auxiliadora pelo Papa Pio V, no ano de 1571, após a grande vitória dos cristãos sobre o exército muçulmano no estreito de Lepanto. A guerra que assolava a fronteira do continente europeu poderia significar o fim do catolicismo e estava sendo vencida pelo Império Otomano, mas no meio do combate os soldados, apavorados, bateram em retirada. Mais tarde, alguns otomanos presos confessaram que uma brilhante e majestosa Senhora tinha aparecido no céu e feito-os fugirem apavorados. Em agradecimento à maravilhosa intervenção de Maria, o Papa introduziu a invocação Auxílio dos Cristãos na Ladainha de Nossa Senhora. Daí o título de Nossa Senhora Auxiliadora. Em 1862, Maria se popularizaria ainda mais com as suas aparições na cidade de Spoleto. Elas fizeram Dom Bosco se tornar um de seus maiores devotos e a realizar a construção de uma grande Basílica, em Turim, na Itália, dedicada a santa. Após a construção, Dom Bosco, juntamente com Santa Maria Domingas Mazzarello, fundou a Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora. A santa, por isso tudo, é considerada como protetora de lares e intercessora em momentos difíceis.

Santa Maria Domingas Mazzarello

Maria Domingas Mazzarello nasceu no dia 9 de maio de 1837, em Mornese , na Itália. Aos 15 anos, ela se inscreveu na Associação das Filhas de Maria Imaculada e participou do apostolado em meio às meninas do lugar. Aos 23 anos, Maria contraiu uma grave doença chamada tifo, que a debilitou fisicamente, mas não a impediu de abrir uma oficina de costura para ensinar às meninas o trabalho, a oração e o amor de Deus. Graças à intensa participação aos sacramentos e sob a direção sábia do Padre Pestarino, Maria fez grandes progressos na vida espiritual. No ano de 1864, ela conheceu Dom Bosco, que a escolheu para dar início ao Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora. Maria morreu no dia 14 de maio de 1881.

Mamãe Margarida (Venerável Margarida Occhiena)

Margarida Occhiena nasceu no dia 1° de abril de 1788, em Capriglio, na Itália. Em 1812 casou-se com Francisco Bosco com quem teve dois filhos, José e João (Dom Bosco). No ano de 1817, Francisco morre atingido por uma pneumonia e, aos vinte e nove anos, Margarida é forçada a enfrentar a condução da família sozinha. O amor do Senhor é tão intenso que formou nela um coração de mãe. Sábia educadora, ela soube conjugar em si paternidade e maternidade, doçura e firmeza, vigilância e confiança, familiaridade e diálogo, educando os filhos com amor e paciência. Tendo ouvido o sonho de Joãozinho aos nove anos, Margarida conseguiu ver nele a luz do Senhor: "Quem sabe, tu devas ser sacerdote". Permite-lhe então que fique com outros garotos pouco recomendáveis, para que, com ele, se comportem melhor. Quando, em 1848, Dom Bosco ficou gravemente doente, Margarida descobriu o bem que o menino fez pelos jovens abandonados em um oratório. Ela então passa a acompanha-lo e, ao seu lado, transformou o oratório em uma família. Por dez anos a sua vida se confundiu com a do filho e com os inícios da Obra salesiana, se tornando "co-fundadora" da Família Salesiana.

 

Bem-Aventuradas

Laura Vicuña: nasceu em Santiago, no Chile, no dia 5 de abril de 1891. Laura foi uma jovem que ingressou no colégio das Filhas de Maria Auxiliadora e seguiu os ensinamentos de São Domingos Sávio. Morreu no dia 22 de janeiro de 1904 consumida por uma doença e pelos sacrifícios que fez por sua mãe, para que a alma da mesma fosse salva. Foi beatificada por João Paulo II no dia 3 de setembro de 1988.

Eusébia Palomino Yenes: nasceu em Cantalpino, na Espanha, no dia 15 de dezembro de 1899. De família pobre, Eusébia aprendeu sobre o catolicismo com seu pai e se tornou salesiana ao ser levada para trabalhar em um oratório de irmãs.  Em 1924, após fazer seu noviciado em Barcelona, tornou-se Filha de Maria Auxiliadora. Abençoada pelo Senhor com dons divinos, Eusébia previu a guerra espanhola e se ofereceu como vítima por seu país. Morreu no dia 10 de fevereiro de 1935 e foi beatificada por João Paulo II no dia 25 de abril de 2004.

Maria Romero: nasceu no dia 13 de janeiro de 1902, em Granada, na Nicarágua. De família rica, Maria se tornou irmã das Filhas De Maria em 1921 e teve seus votos perpétuos proferidos em 1929. Sua maior alegria foi a possibilidade de aproximar as crianças, os pobres e os marginalizados ao amor de Cristo. Faleceu no dia 7 de julho de 1977 e foi beatificada pelo Papa São João Paulo II no ano de 2002.

Maria Troncatti: nasceu no dia 16 de fevereiro de 1883, em Corteno Golgi, na Itália. Cresceu em uma família numerosa e, por pedido do pai e de seu pároco, esperou a maioridade para solicitar a admissão no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora. No decorrer da vida, Maria aprendeu a ser enfermeira, cirurgiã, ortopedista, dentista e anestesista. Trabalhou em um hospital militar durante a primeira guerra mundial e, em 1922, foi para o Equador trabalhar com um povo indígena, onde teve o importante trabalho de catequista. Morreu no dia 25 de agosto de 1969 em um acidente aéreo. Foi elevada a bem-aventurada no ano de 2013 pelo cardeal Angelo Amato.

Alexandrina Maria da Costa: nasceu no dia 30 de março de 1904, em Balasar, Portugal. Ao lado de sua irmã mais velha, foi educada de maneira cristã por seus pais. Aos 14 anos, Alexandrina se machuca e a lesão a faz ficar paralisada na cama por mais de 30 anos. Ela, então, se oferece a Cristo como vítima pela conversão dos pecadores e pela paz no mundo. Entre os anos de 1938 a 1942, a mulher supera a paralisia e revive, em todas as sextas-feiras, a paixão de Cristo. A partir de março de 1942 até a sua morte, ela passa a ingerir somente a sua comunhão diária. Alexandrina morreu no dia 13 de outubro de 1955 e foi beatificada por João Paulo II em 25 de abril de 2004.

Madalena Morano: nasceu em Chieri, na Itália, no dia 15 de novembro de 1847. Lá ela começou, ainda criança, um tirocínio pedagógico que caracterizou toda a sua vida. Em 1879, Madalena se tornou Filha de Maria Auxiliadora e, em 1881, se dirigiu a Sicília, onde iniciou uma fecunda obra educativa entre as meninas e as jovens das classes populares. Com o passar dos anos ela abriu escolas, oratórios, internatos, cursos profissionalizantes e assumiu também a Obra dos catecismos. Madalena morreu no dia 26 de março de 1908 e foi proclamada bem-aventurada por João Paulo II no dia 5 de novembro de 1994.

FONTE: site http://www.sdb.org/pt/santidade-salesiana